Equipamentos



A BOLA DE GOLF

O desenho da bola é bastante preciso. O peso tem que ser 45.93 gramas e tem que ter um diâmetro de pelo menos 42.67 milímetros. A United States Golf Association (Associação de Golfe dos Estados Unidos) é quem testa e aprova as bolas que são usadas em competições.A bola de golfe passou por muitas modificações ao longo de sua história. Durante os primeiros duzentos anos em que o golfe era jogado, os jogadores usavam uma bola de madeira.

Nos meados do século XVII, uma nova bola foi inventada. Conhecido como o “featherie”, tinha um miolo de penas de ganso cobertas com couro de vaca. Por cima do couro aplicavam uma camada de tinta. Esta bola foi usada por uns dois séculos.

Em 1848, Doctor Robert Adams inventou o “gutta percha”, uma bola conhecida como o “guttie”. Gutta percha é um látex inelástico retirado da espécie de árvore chamada de gutta percha. A bola de golfe feita de gutta percha era muito mais aerodinâmica do que a “featherie” e custou menos para fabricar.

No século XX, a bola de camadas múltiplas entrou em uso. O núcleo líquido era coberto por fios elásticos que, por final, era coberto por uma fina camada de plástico. Muitos jogadores preferiram esta bola e, por isso, cresceu o seu uso.

A bola de golfe que é usada hoje em dia tem um núcleo de composto titânico e uma camada exterior de composto de uretano.

A bola de golfe de hoje tem, na sua superfície, centenas de depressões côncavas que, segundo uma decisão da United States Golf Association, têm que ser simétricas. Existe ao redor da bola uma listra lisa onde não há depressões. A razão que isso existe é que as bolas são fabricadas em duas metades e, depois, unidas e seladas. 

Embora as maiorias das bolas de golfe sejam brancas, você pode encontrá-las em uma variedade grande de cores.


TEE

Existem vários tipos de tees para golfe. Eles podem ser feitos de madeira ou de plástico e estão disponíveis em uma variedade de cores. Cada jogador deve usar o tee mais adequado para otimizar o seu potencial de jogo.


O Carro de Golfe

O carro de golfe é um pequeno veículo projetado para transportar dois jogadores e seus tacos em torno do campo de golfe. A sua velocidade é inferior a 24 km / h. A maioria são equipados com motores elétricos. Surgiram depois da Segunda Guerra Mundial, com o aumento do número de golfistas. Os primeiros eram de puxar, tinham rodas estreitas e marcavam o gramado, mas logo o problema foi eliminado com o uso de rodas largas.

No Mundial de 1958 foi utilizado pela primeira vez um carrinho elétrico, em St. Andrews, para transportar o capitão americano Robert T. Jones Jr., o incomparável campeão do Grand Slam de 1930 que, por ser deficiente, foi autorizado a utilizar o veículo.

Os carrinhos elétricos começaram a se tornar mais populares a partir de 1970. O objetivo foi o de fazer o jogo andar mais rápido para que mais pessoas possam estar no campo ao mesmo tempo.

Para não danificar os fairways, a maioria dos campos constrói caminhos especiais para os carros, de forma que o jogador já não precisa caminhar, apenas jogar.

Nos Estados Unidos, o uso do carrinho é obrigatório em muitos campos, mas muitos jogadores discordam, especialmente na Grã-Bretanha, afirmando que o objetivo do golfe é caminhar em contato com a natureza. 

Fonte - Golfexpress


Os Tacos Para Jogar Golfe

Os tacos de golfe mudaram muito desde o início do esporte. A par do que diz a história de que os tacos não passavam de galhos de árvores com formatos apropriados, eram os jogadores que confeccionavam seus próprios tacos.

William Mayne, de Edimburgo, é apontado como o primeiro fabricante de tacos e lanças do rei James VI, em 1603. Os tacos mais antigos de que se tem notícia são seis madeiras e dois ferros que estão expostos no Golf Club de Troon, na Escócia, e que teriam sido feitos por Andrew Dickson, de Leith, ou Henry Mill, de St. Andrews.

Com os fabricantes, chegou a evolução técnica. Douglas McEwans passou a fabricar a cabeça dos tacos em madeira de árvores plantadas horizontalmente em barrancos, criando uma curva natural para o pescoço do taco. A maioria das cabeças dos tacos era feita de árvores frutíferas como macieira, pereira e cerejeira, até que se descobriu o nogal, uma árvore resistente e de veias grossas.

Depois dos tacos de madeira chegaram os ferros, com cabeças quadradas e angulosas, que sofreram modificações sensíveis a partir do século XIX. Mas como as bolas eram de penas, os ferros causavam grande estragos e só eram utilizados em ocasiões especiais. Depois, os tacos passaram a ser divididos em quatro tipos: drivers, spoons, irons e putters.

A sofisticação do jogo e a concorrência obrigaram os fabricantes a desenvolver técnicas cada vez mais refinadas para aumentar a durabilidade e confiabilidade dos tacos. As indústrias passaram a produzir os tacos em série, com materiais mais adequados. A partir de 1924, foram utilizados o aço e o carbono. Nos dias de hoje já se utiliza titânio.

Com a industrialização, os jogadores chegavam a levar 20 tacos na bolsa. A evolução técnica dos produtos, porém, estava levando o golfista a se preocupar mais com a eficiência do equipamento do que com o aperfeiçoamento de sua habilidade. Assim, em janeiro de 1938, a USGA decidiu que o jogador só poderia utilizar 14 tacos. No ano seguinte, o R&A referendou a decisão.

Os tacos continuaram a evoluir e hoje o mercado apresenta uma infinidade de modelos. Cabe ao golfista definir aquele que se encaixa melhor em seu estilo, sabendo que sempre haverá aperfeiçoamentos que representarão jogadas mais corretas.

Fonte: golfexpress


 

 

 

1 1